sábado, 18 de novembro de 2017

Dez anos de Comunicação e Jornalismo na Lusófona!


Este ano letivo, a Licenciatura em Comunicação e Jornalismo (CJ) da Universidade Lusófona dobra a sua primeira década. A turma de 2017/18 é a 11ª e a pioneira do novo plano de estudos. Tudo bons motivos para comemorar durante um dia inteiro. Foi a 16 de novembro, no Auditório Agostinho da Silva e a mesa de abertura refletia a história da Licenciatura: ao centro, a diretora do Curso, Carla Rodrigues Cardoso, e o diretor do Departamento de Ciências da Comunicação, Luís Cláudio Ribeiro. À direita, Mário Mesquita, responsável pelo primeiro plano de estudos de CJ. E à esquerda, os primeiros diretores: António José Teixeira e Fernando Correia. CJ Rocks!

Foto de Catarina Gonçalves, aluna do 3º ano de CJ

sábado, 25 de março de 2017

À procura do “milhão de dólares”



''Nunca como agora o consumo de informação foi tão grande e nunca as empresas que produzem essa informação estiveram tão mal em termos financeiros'', afirmou Paulo Ferreira. Este é o paradoxo que os média enfrentam. Para o jornalista e gestor da TrueStories, a crise económica é fruto de “um erro crasso: oferecer aquilo que tem valor”, ou seja, a informação produzida por jornalistas.

O advento do digital foi mal compreendido pelos média quando decidiram disponibilizar conteúdos a custo zero. De acordo com Paulo Ferreira, esta aposta traduziu-se em três problemas. O que passa a ser oferecido  “é percecionado como não tendo grande valor”, “não gera receitas” e “é muito difícil que volte a ser pago”. Uma análise que fez parte do painel “Jornalismo: novos modelos de negócio”, que encerrou ontem a 5ª Semana de Comunicação, Artes e Tecnologias, organizada pelo Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade Lusófona.

O único segredo para ser bom jornalista
Moderada por Helena Garrido, a conferência contou ainda com a intervenção de David Dinis, director do Público, Rute Sousa Vasco, jornalista e gestora da Madre Media e Samuel Alemão, jornalista de O Corvo. Todos estiveram de acordo com a necessidade de continuar a apostar no digital – não é possível inverter um caminho que se tornou o único conhecido para grande parte dos consumidores, especialmente os mais jovens.

Encontrar uma forma do jornalismo digital ter retorno financeiro, “é a pergunta para um milhão de dólares”, referiu David Dinis. O diretor do Público considera que os média têm de se voltar para a informação útil, que interessa a quem a consome. E deixou um conselho aos estudantes de jornalismo: “sejam melhores, leiam muito, aprendam todos os dias e divirtam-se com aquilo que estão a aprender. Esse é o único segredo para ser um bom jornalista”. Quanto a novos modelos de negócio, todos concordam que o futuro é experimentar e ir ultrapassando obstáculos, sem receio de falhar, pois ainda não se encontrou o caminho certo.

Texto: Raquel De Araújo e Yauri Neto, com Rita Silva e Sara Amorim
Foto: Yauri Neto


sexta-feira, 24 de março de 2017

Lusófona no Festival D&AD


O penúltimo dia da Semana de Comunicação encerrou ontem com a apresentação dos quatro projetos dos alunos finalistas de Comunicação Aplicada selecionados para concorrerem aos prémios D&AD, na categoria “New Blood”. Desenvolvidos no Atelier de Publicidade, coordenado por Cristina Santos, visam dar uma resposta positiva a briefings que colocaram problemas concretos. Afinal, “A área da comunicação tem sempre problemas que as agências de publicidade podem resolver”, disse a professora. Dois dos projetos têm por tema “Como será o ensino em 2027”, e os outros dois intitulam-se “Fur for animals” e “Monotype Embrace Diversity”.

Texto: Rafaela Monteiro com Alexandre Silva e Pedro Camacho
Foto: Alexandre Silva

Fotojornalismo: ética, exige-se


“Quem gosta de imagens, gosta de noticiar imagens”, mas a utilização de fotos nas notícias deve respeitar a ética e as regras jornalísticas. As palavras de José Carlos Abrantes, responsável pela Associação dos Amigos das Imagens (ASAMI) foram corroboradas por Maria Brederode dos Santos, membro do Conselho de Opinião da RTP, e por António Granado, jornalista e professor universitário, durante a conferência “MigraFOTOS”, a 23 de março, penúltimo dia da Semana de Comunicação. Os três intervenientes debateram,  especificamente, a ética fotojornalística na cobertura de temas críticos como os refugiados e o terrorismo.

Texto: Miguel Silva com Melissa Cruz
Foto: Eduardo Sofila

quinta-feira, 23 de março de 2017